Este sítio utiliza cookies

Estes cookies são essenciais quer para melhorar as funcionalidades quer para melhorar a experiência de utilização do sítio ALEA.

(terminou o prazo de respostas)

 

Os problemas deste desafio baseiam-se numa notícia publicada no jornal Público de 23 de fevereiro de 2019.

Esta notícia apresenta informação relativa ao estudo EU Kids Online que analisa hábitos de crianças e jovens, dos 9 aos 17 anos, na Internet e nas redes sociais. O estudo parte de um inquérito feito a 1974 crianças e jovens portugueses — metade rapazes e metade raparigas, sendo que a faixa dos 13 aos 17 representa 62% dos inquiridos. O estudo integra um projeto europeu que abrange três dezenas de países que fazem análises semelhantes. Em Portugal, o inquérito foi realizado por uma equipa da Universidade Nova de Lisboa.

 

Ver estatísticas das respostas e alunos premiados

Problema de nível I 
Estatísticas das respostas

Número de participantes Escolas e número de alunos que responderam Número de respostas corretas Número de respostas incorretas Número de respostas anuladas
337 Lista das escolas (formato Excel) 294 36 7

 

 

Lista dos alunos premiados

Nome Ano e Turma Escola
Alice Calado 9.ºB

Escola Secundária António Gedeão

Rodrigo Ferreira Salvado 9.ºA

Escola Secundária Amato Lusitano

Catarina Carvalho 8.ºB

Colégio Internato Claret

Eunice Almeida Correia

7.ºC

Agrupamento de Escolas de Arouca

Magda Soares 7.ºB

Escola Secundária Dr. João de Araújo Correia

Simão Silva 8.ºC EB 2 3 Dr. Correia Alexandre
Pedro Gonçalves 6.ºG Escola Básica Dr. Joaquim Magalhães
Alexandra Gonçalves 8.ºB Escola Básica e Secundária de Paredes de Coura


Alunos habilitados ao prémio final*
Lista dos Alunos Habilitados
*Nota: alunos que obtiveram pelo menos 50% nas respostas aos itens do problema.

 

Problema de nível II
Estatísticas das respostas

 

Número de participantes Escolas e número de alunos que responderam Número de respostas corretas Número de respostas incorretas Número de respostas anuladas
127 Lista das escolas (formato Excel) 114 13 0

 

Lista dos alunos premiados

Nome Ano e Turma Escola
Mariana Bessa 10.ºA1 Escola Secundária de Tomaz Pelayo
Daniel Dias Delgado 12.º1 Escola Secundária de Seomara da Costa Primo
Beatriz Neves Ferreira da Silva 11.ºCT1 Escola Secundária Amato Lusitano
Patrícia Alves 10.ºCPTAL Escola Secundária de Mem Martins
Gabriel Matos Silva 10.ºC Escola Básica e Secundária de Canelas
Daniel Rodrigues Sousa 12.ºB Escola Secundária Artur Gonçalves

 

Alunos habilitados ao prémio final*
Lista dos Alunos Habilitados
*Nota: alunos que obtiveram pelo menos 50% nas respostas aos itens do problema.

 

Problema de Nível 1

Nas figuras seguintes são apresentados alguns resultados do inquérito.

 

De acordo com a informação, responde às questões que se seguem.

Questão 1:

Indica, justificando, qual das afirmações seguintes é falsa: 

(A) Em média, as raparigas passam menos tempo na Internet, por dia.

(B) Todas as crianças com idade entre os 9 e 10 anos passam menos de 1,8h por dia na Internet.

(C) O tempo médio passado na Internet por dia é superior nos jovens com idade compreendida entre os 15 e os 17 anos.

 

Questão 2:

Foram inquiridos 1974 crianças e jovens portugueses — metade rapazes e metade raparigas. Qual o tempo médio passado na Internet por dia, em horas, dos inquiridos? Justifica a tua resposta.

 

Questão 3:

Uma das perguntas colocadas às crianças e jovens inquiridas foi se tiveram situações que os incomodaram na Internet no último ano.
Na figura seguinte são apresentadas as percentagens de inquiridos que responderam sim, por idade, no estudo de 2014 e no estudo de 2018.

 

Aconteceu algo online que te incomodou?
Situações que te fizeram sentir desconfortável, assustado ou a pensar que não deverias ter visto
 
Diz, justificando a tua escolha, se as afirmações seguintes são verdadeiras ou falsas:

(A) Em relação a 2014, é nos mais novos (9 ou 10 anos) que o número de inquiridos a afirmar que já se sentiu incomodado na Internet registou uma maior subida.

(B) Em 2018, 90% das crianças e jovens inquiridos responderam que já se sentiram incomodados na Internet.

 

Resposta

Apresentada pela aluna Alice Calado da Escola Secundária António Gedeão

 

Resposta à questão 1:

A afirmação falsa é a (B) porque a informação que nos é dada através da imagem é que as crianças entre os 9 e os 10 anos passam, em média, 1,8 horas por dia na Internet, e não menos do que isso, como diz na afirmação (B).

 

Resposta à questão 2:

Se dos 1974 jovens inquiridos há o mesmo número de rapazes e raparigas, então conseguimos obter o tempo médio das horas passadas na Internet calculando a média entre as horas passadas pelos rapazes (3,3 horas) e as horas passadas pelas raparigas (3,1 horas). Assim, o tempo médio passado na Internet por dia, em horas, dos inquiridos, é 3,2 horas.

 

Resposta à questão 3:

A afirmação (A) é verdadeira, porque fazendo a diferença entre 2018 e 2014, em todas as idades, a idade dos 9 aos 10 anos é a que regista um maior número (25 - 3 = 22).

A afirmação (B) é falsa, porque a percentagem de cada setor refere-se às pessoas com essa idade, e não ao total de pessoas inquiridas, ou seja, por exemplo, no grupo dos 9 aos 10 anos, o 25% de 2018 consiste em 25% dos inquiridos com essa idade, e não a 25% de todos os inquiridos.

 

 

 

Problema de Nível 2

O estudo EU Kids Online analisa hábitos de crianças e jovens, dos 9 aos 17 anos, na Internet e nas redes sociais. O estudo parte de um inquérito feito a 1974 crianças e jovens portugueses — metade rapazes e metade raparigas, sendo que a faixa dos 13 aos 17 representa 62% dos inquiridos. 

 

Questão 1:

No gráfico seguinte são apresentados os resultados relativos à utilização diária de dispositivos no acesso à Internet.

 

Uso frequente de dispositivos, por idade

% dos que usam todos os dias

 

1.1. Justifica a seguinte afirmação:

Em todas as classes etárias dos inquiridos, há crianças ou jovens que utilizam diariamente mais do que um tipo de dispositivo no acesso à Internet.

 

1.2. Neste estudo, 62% dos inquiridos tem entre 13 a 17 anos. Qual dos seguintes poderá corresponder ao valor total, em percentagem, dos inquiridos que usa todos os dias o smartphone/telemóvel:

(A) 67%

(B) 77%

(C) 87%

Justifica a tua opção.

 

Questão 2:

Em resposta à questão “Alguém te tratou de uma maneira ofensiva ou desagradável?”, a percentagem dos inquiridos que dizem ter sido vítimas de bullying online e offline, nos estudos de 2010, 2014 e 2018 é apresentada nos gráficos seguintes:

 

% dos que dizem ter sido vítimas de bullying online e offline

 

Diz, justificando a tua escolha, se as afirmações seguintes são verdadeiras ou falsas:

(A) Em 2018, a percentagem de raparigas vítimas de bullying foi superior, mas as situações de bullying online e offline aumentaram mais nos rapazes.

(B) Em 2018, 24% das crianças e jovens portugueses afirmaram terem sido vítimas de bullying online e offline.

 

Resposta

Apresentada pela aluna Mariana Bessa da Escola Secundária de Tomaz Pelayo

 

Resposta à questão 1.1:

É possível verificar que, em todas as classes etárias dos inquiridos, há crianças ou jovens que utilizam diariamente mais do que um tipo de dispositivo no acesso à Internet, dado que, somando as percentagens (na mesma faixa etária) da utilização dos diferentes dispositivos, obtém-se um valor superior a 100%, o que mostra que há crianças ou jovens que utilizam diferentes dispositivos diariamente.
 
Resposta à questão 1.2:

62% dos inquiridos tem entre 13 e 17 anos, logo 38% dos inquiridos tem entre 9 e 12 anos.

Assim, no “mínimo”, 94% destes 62% e 57% destes 38% utilizam o smartphone/telemóvel todos os dias.

Posto isto, 94 x 0,62 = 58,28 

57 x 0, 38 = 21,66
58,28 + 21,66 = 79,91
 
Só pode ser um valor superior a 79,91% , logo a opção correta é a C.
 

Resposta à questão 2:

(A)

Falsa se o aumento for referente a 2010, dado que, embora a percentagem de vítimas raparigas seja superior (26%, 22% nos rapazes), tanto nos rapazes como nas raparigas, a percentagem de vítimas aumentou em 15%.

Verdadeira se o aumento for referente a 2014, pois é possível verificar que a percentagem de raparigas é superior e, para além disso, nos rapazes aumentou 16% enquanto nas raparigas apenas aumentou 13%. 

Não é explícito na pergunta com que ano é comparado 2018.

(B)

Responderam a este inquérito 1974, sendo 987 raparigas e 987 rapazes.

Assim, em 2018, 22% dos rapazes afirmam terem sido vítimas de bullying online e offline, e nas raparigas 26% afirmaram o mesmo. 

0,22 x 987 = 217,14
0,26 x 987 = 256, 62
256,62 + 217, 14 = 473, 76
 
473, 76 = y% x 1974
( 473, 79 x 100 ) / 1974 = y
24 = y
 
Logo, a afirmação é verdadeira. Pois 24% das crianças e jovens portugueses afirmaram terem sido vítimas de bullying online e offline.

 

Nota: Como o número de rapazes é igual ao número de raparigas, então a percentagem média das crianças e jovens portugueses que afirmaram terem sido vítimas de bullying online e offline é igual a (22+26)/2 %, ou seja, 24%.